Qua. Out 27th, 2021
Georgino Rocha (texto)

O tema da aliança surge na “Alegria do Evangelho” (EG) no contexto do “diálogo social como contribuição para a paz”. De acordo com esta Exortação Apostólica do Papa Francisco, a evangelização implica também um caminho de diálogo. Neste momento, existem sobretudo três campos de diálogo onde a Igreja deve estar presente, cumprindo um serviço a favor do pleno desenvolvimento do ser humano e procurando o bem comum: o diálogo com os Estados, com a sociedade – que inclui o diálogo com as culturas e as ciências – e com outros crentes que não fazem parte da Igreja católica. Em todos os casos, «a Igreja fala a partir da luz que a fé lhe dá, oferece a sua experiência de dois mil anos e conserva sempre na memória as vidas e os sofrimentos dos seres humanos”.

A expressão “aliança irrevogável” surge explicitamente ao tratar da relação com os Judeus EG 247 e abrange sempre toda a criação e todas as criaturas beneficiadas com o amor de Deus que as quis envolver no seu projecto de salvação.

A 22 de Abril celebra-se o Dia Internacional da Terra. O Papa Francisco, na audiência de quarta-feira de 2015 faz o apelo seguinte: “Exorto todos a verem o mundo com os olhos de Deus Criador: a Terra é o ambiente a ser protegido e o jardim a cultivar. Que a relação dos homens com a natureza não seja guiada pela avidez, pela manipulação e pela exploração, mas preserve a harmonia divina entre as criaturas e a criação, na lógica do respeito e do cuidado, para colocá-la ao serviço dos irmãos, inclusive das futuras gerações”. E muitos outros seguem, fruto de uma aliança irreversível, no sentido de darmos as mãos em causas comuns como a paz e a justiça, o desenvolvimento integral, a salvaguarda das criaturas e da criação.