Dom. Jun 13th, 2021

Oratório Peregrino

Um oratório à maneira de um viático para tempos de carestia
Uma proposta desenvolvida em parceria com

Irmãs do Carmelo de Cristo Redentor – Aveiro


XLV Passo | Diante de Deus de mãos vazias

 

«Não tenho mérito nenhum por não me ter entregado ao amor das criaturas, uma vez que fui preservada dele apenas pela grande misericórdia de Deus!…» (A 38 v).

«Viver de Amor, é dar sem medida

Sem reclamar salário aqui na terra

Ah! sem contar eu dou-me bem segura

De que, quando se ama, não se conta!…

Ao teu Coração Divino, transbordante de ternura

Deu tudo… ligeiramente eu corro

Nada tenho senão a minha riqueza

Viver de Amor» (P 17, 5).

«Ah! bem sei que todas as nossas justiças

Não têm a teus olhos nenhum valor

Para dar mérito aos meus sacrifícios

Quero lançá-los no teu Divino Coração.

Não encontraste os teus anjos sem mancha

No meio dos relâmpagos ditastes a tua lei!…

Teu Coração Sagrado, ó Jesus, eu me escondo

Não tenho medo, a minha virtude és Tu!…» (P 23, 7).

«Mesmo que eu tivesse realizado todas as obras de S. Paulo, havia de considerar-me ainda “servo inútil”; mas é isto precisamente que constitui a minha alegria, pois não tenho nada, tudo receberei de Deus» (UC 23. 6. 1).

«Nada fica nas minhas mãos. Tudo o que tenho, tudo o que ganho, é para a Igreja e para as almas. Mesmo que eu viva até aos 80 anos, serei sempre assim pobre» (UC 12. 7. 3).

«O meu mérito vai talvez perder-se, já que lho disse e vai escrevê-lo? Quer então adquirir méritos? – Sim, mas não para mim; para os pobres pecadores, para as necessidades de toda a Igreja, enfim para atirar flores a todos, justos e pecadores» (UC 18. 8. 3).

«Na noite desta vida, aparecerei diante de Vós com as mãos vazias, pois não Vos peço, Senhor, que conteis as minhas obras» (Or 6).

«Sinto sempre a mesma confiança audaciosa de me tornar uma grande Santa, pois não conto com os meus méritos, não tendo nenhum, mas espero n’Aquele que é a Virtude, a própria Santidade» (A 32 r).

«Só Jesus, contentando-se com os meus fracos esforços, me elevará até Ele e, cobrindo-me dos seus méritos infinitos, me fará Santa» (A 32 r).

«Cá na terra, não posso conceber maior imensidade de amor do que a que Vos dignastes prodigar-me gratuitamente, sem nenhum mérito da minha parte» (A 35 r).

«A minha vida não é para preparar a minha coroa, para ganhar méritos, é para dar gosto a Jesus» (Ct 143).

«Sei bem que o divino Mestre deve ter pressa de vos coroar no Céu mas espero que vos deixe ainda no exílio a fim de que, trabalhando para a sua glória como tendes feito desde a juventude, o peso imenso dos vossos merecimentos seja aplicado a outras almas que se apresentarem diante de Deus com as mãos vazias» (Ct 218).

 

Santa Teresa do Menino Jesus e da Santa Face


Imagem de James Chan por Pixabay