Sáb. Set 25th, 2021

Mesopotâmia – XIII | HINOS MESOPOTÂMICOS

Investigação e tradução: Pe. Doutor Júlio Franclim do Couto e Pacheco

Leia, aqui, Hino a Ninurta


Ó Rei, tempestade de esplendor majestoso,
incomparável Ninurta,
poderoso dominante superior;
aquele que saqueia as Montanhas sozinho;
dilúvio, infatigável serpente
arremessando-se contra a terra rebelde,
Herói portando-se formidavelmente em batalha;
Senhor cujo braço poderoso
está pronto para atacar com a maça,
ceifando como cevada os narizes dos insubordinados.
Ninurta, Rei, filho com o qual o seu poderoso pai se alegra;
Herói que espantosamente cobre as montanhas como uma
tempestade do sul;
Ninurta, que faz a boa tiara, o arco-íris,
rápido como o raio;
grandemente aclamado por aqueles
que se vestem de modo principesco;
dragão que volta a si mesmo,
poderoso leão rosnando para a cobra,
aeronave barulhenta.
Ninurta, Rei, a quem Enlil exaltou acima de si mesmo.
Herói, grande rede de combate lançada sobre o inimigo;
Ninurta, com o incomparável da sua sombra
estendendo-se sobre a Terra;
libertando a sua fúria sobre as terras rebeldes,
subjugando as suas construções! [Continua]


Imagem: Relevo de pedra assírio do templo de Ninurta em Kalhu, mostrando o deus com seus raios perseguindo Anzû, que roubou a Placa dos Destinos do santuário de Enlil (Monumentos de Austen Henry Layard de Nínive , 2ª Série, 1853)