Ter. Dez 7th, 2021

E se Jesus fosse coreano?

Artigo publicado no Correio do Vouga

Não sabemos como era fisicamente Jesus. Não há uma única descrição do aspeto físico de Jesus nos Evangelhos. Mas estamos habituados a vê-lo representado com traços ocidentais, demasiados europeus, conforme alguns dizem com tons de crítica. Como Jesus veio para toda as pessoas, é natural que as diversas culturas o representem com traços diferentes. Foi o que fez o artista coreano Woonbo Kim Ki-chang (1914-2001). Durante a guerra da Coreia, na década de 1950, o artista pintou uma série de quadros em que Jesus aparece com roupas e em ambientes (casas, palácios…) da Dinastia Joseon (ou Chosun – a mais longa e influente dinastia coreana, do séc. XV aos inícios do séc. XX). O Menino Jesus tem um vestido arco-íris, como era típico das crianças da época; Maria é representada com a roda de fiar, símbolo de pureza na cultura coreana; os Magos vestem as roupas dos ministros da Dinastia Joseon; Jesus veste-se como um erudito do tempo e os soldados lembram a guarda real.

Os quadros estiveram expostos num museu de Seoul, no centenário do nascimento de Woonbo Kim Ki-chang. Na sua autobiografia, o artista escreveu que um missionário americano, Anders Kristian Jensen, o incentivou a pintar durante a guerra com as seguintes palavras: “Muita arte cristã foi produzida em diferentes culturas para promover a universalidade de Jesus Cristo. Espero que tenhas força para completar a arte cristã coreana”. Da esquerda para a direita e de cima para baixo: Anunciação; Visita dos Magos; Batismo de Jesus; Chamamento dos Discípulos; Salvamento de Pedro; Última Ceia; Julgamento de Jesus; Flagelação; Ressurreição e Crucifixão.