Dom. Dez 5th, 2021

Oratório Peregrino

Um oratório à maneira de um viático para tempos de carestia
Uma proposta desenvolvida em parceria com

Irmãs do Carmelo de Cristo Redentor – Aveiro


XVI Passo | EDUCAÇÃO PARA O REALISMO

 

A oração teresiana não é alienante, mas sim realista. O trabalho de desligar os nossos sentidos da realidade exterior para convertê-los à interior não é uma evasão, mas antes um esforço para captar as coisas em toda a sua profundidade e à margem de circunstâncias passageiras.

Em primeiro lugar está certamente a atenção a esse Deus presente. Sem dúvida: mas para trazer a esse diálogo com Ele todas as realidades alegres ou tristes que nos envolvem.

A realidade do nosso simples estado de alma: “Se estais alegres, vede-O ressuscitado… (C 26, 4). “Se estais em trabalhos ou tristes, vede-O a caminho do Horto” (C 26, 5). A realidade da nossa própria vida diante de um olhar que tudo abrange. Talvez seja por isso que Teresa, que sempre recomendou que partíssemos do conhecimento próprio, indique como prólogo de toda a oração “o exame de consciência e o dizer a confissão” (C 26, 1). A realidade, enfim, de tudo aquilo que cada um ama, o mundo, a Igreja, as realidades familiares, etc. No que toca a Teresa, tudo foi objecto do seu relacionamento com o Senhor.

Deixemo-nos guiar pela oração de Santa Teresa e rezemos com ela. Entremos dentro de nós e deixemos ecoar as palavras e os gestos de Jesus:

«Olhai-O e dizei-Lhe: “juntos andemos Senhor”.

Se estais alegres, vede-O ressuscitado, pois só com imaginar a sua saída do sepulcro vos alegrareis. Que esplendor e formosura! Que majestade! Que vitorioso e alegre! É como quem saiu triunfante da batalha onde conquistou um tão grande reino que, juntamente com Ele quer que seja todo vosso. Será muito voltar alguma vez os olhos para Aquele que tanto vos dá?

Se estais a sofrer ou tristes, vede-O a caminho do Horto: que angústia não lhe ia na alma, apesar da sua conformidade com o sofrimento manifesta-a e queixa-se dela.

Vede-O atado à coluna, cheio de dores, a Sua carne toda feita em pedaços por vos amar tanto. Quanto sofrimento! Uns perseguiam-nO, outros cuspiam-nO. Negado e abandonado pelos seus amigos, sem ninguém que O defenda! Gelado de frio e em total solidão; Olhai-O e assim podereis que vos podereis consolar-vos mutuamente.

Vede-O com a cruz às costas, que mal o deixavam tomar folego. Olhar-vos-à com uns olhos tão formosos e piedosos que esquecerá as suas dores para consolar as vossas, só por irdes consolar-vos com Ele e voltardes a cabeça a fitá-LO.

Se o vosso coração se enterneceu de O ver assim; se não vos contentais só em olhar para Ele, mas até gostaríeis de Lhe falar com o vosso coração, podeis dizer-lhe:

Ó Senhor do mundo, meu verdadeiro Amigo! Tão necessitado estais que quereis admitir uma companhia como a minha na vossa presença e vejo no vosso rosto que Vos consolais comigo.

Se tudo isto quereis passar por mim, o que é isto que eu passo por vós? Quero passar todos os trabalhos que me vierem e tê-los em grande bem para vos imitar em alguma coisa.

Juntos andemos, Senhor; por onde fores, tenho de ir; por onde passares tenho de passar.»

Santa Teresa de Jesus


Imagem de Med Ahabchane por Pixabay