Qui. Set 23rd, 2021

Mesopotâmia – XIII | HINOS MESOPOTÂMICOS

Investigação e tradução: Pe. Doutor Júlio Franclim do Couto e Pacheco

Leia, aqui, Nam-shub de Enki


Era uma vez,
quando não havia serpente, nem escorpião,
quando não havia hiena, nem leão,
nem cachorro selvagem, nem lobo,
quando não havia medo, nem terror,
o Homem não tinha rival.
Nestes dias, a terra Shubur-Hamazi,
a harmoniosa língua Suméria,
a grande terra dos ME das naves estrelares,
Uri, a terra tendo tudo que lhe era apropriado,
a terra Martu, permanecendo em segurança,
o universo inteiro era bem cuidado pelo povo,
para Enlil1 numa única língua falavam.
Então o senhor desafiador,
o príncipe desafiador, o rei desafiador,
Enki, o senhor da abundância,
cujos comandos são dignos de confiança,
o senhor da sabedoria, que examina atentamente a terra,
o líder dos deuses,
o senhor de Eridu, dotado de sabedoria,
mudou a fala em suas bocas, colocou-lhes moderação,
na língua do homem, que havia sido única. [Continua]


Imagem: Impressão de um selo cilíndrico da época do rei acadiano Sharkalisharri (c.2200 aC), com a inscrição central: “O Divino Sharkalisharri Príncipe de Akkad, Ibni-Sharrum, o Escriba seu servo”. Representação de Ea com búfalo de chifre longo . Cerca de 2217–2193 aC. Museu do Louvre .