Ter. Dez 7th, 2021

MITOS MESOPOTÂMICOS VÁRIOS

Investigação e tradução: Pe. Doutor Júlio Franclim do Couto e Pacheco

Leia, aqui, A Maldição de Agade: o Ekur Vingado


O autor do texto A Maldição de Agade: O Ekur Vingado fala da destruição de
Agade e, segundo ele, e os cidadãos de Nippur, a resposta para o sucedido era a
seguinte: Naram-Sin, o quarto rei da dinastia de Agade, saqueou Nippur e cometeu
enormes sacrilégios contra o Ekur – o santuário do deus Enlil. Este dirige-se aos
Guti – os bárbaros – e trá-los das montanhas para destruírem Agade e vingarem o
templo. Oito divindades, para acalmarem Enlil, lançam sobre Agade a maldição de
que ficaria para sempre desolada e desabitada. E isto foi o que de facto sucedeu,
segundo o autor.
Nos primeiros versos é feito o contraste da ascensão, glória e poder anterior de
Agade, com a desolação que existe depois na sua queda. Prossegue, relatando a
entrega a Sargão, rei de Agade, por Enlil, das «terras superiores e inferiores», e de
como Enlil enviou o «Touro do Céu» para reduzir a poeira a casa de Uruk. (Continua)


Imagem: Côvado de Nippur, espécime graduado de uma medida antiga de Nippur, Mesopotâmia (3º milênio aC) – exibido no Museu Arqueológico de Istambul (Turquia).