Sáb. Nov 27th, 2021
Bioética e sociedade
(Parceria com o Centro de Estudos de Bioética)

Carlos Costa Gomes*

1. Temos como um dado adquirido que em saúde as disciplinas mais difíceis são aquelas que tratam da anatomia, bioquímica física, farmacologia, etc… e como fáceis as que tratam da ética médica e de enfermagem. Por isso os estudantes chamam os “cadeirões”. Porém, o que o verifico depois de alguns anos de experiência dos profissionais de saúde, é de que há uma inversão na valorização do que é fácil e do que é difícil.

2. O que no estudo era difícil acaba por ser o mais fácil e o que diz respeito à ética, torna-se complexo e difícil. A base do conhecimento da enfermagem e medicina estão em constante evolução, mas aqueles assuntos que se julgavam fáceis – os intangíveis – acabam por ter um valor que vai para além do conhecimento científico.

3. A sensibilidade ética apela à tomada de decisão clinica entre o adequado e o desproporcional. Saber em cada ato o que é o “máximo e o mínimo” de cada decisão; aspirar em cada decisão o ideal, mas compreender o real. E isto não é fácil.

4. Na verdade o difícil torna-se “fácil” e o fácil aparece como difícil.

5. Hoje, em tempo de COVID 19, em que os recursos técnicos e humanos começam a escassear, a saúde é um dos direitos sociais prioritários. O progresso económico é um meio para a realização do bem social que é a saúde, não devendo, nunca, sobrepor-se como objetivo autónomo.

6. O atendimento e consultas em tempo oportuno, que todos têm direito, é um elemento ético prévio em cuidado de saúde. As deficiências de administração no campo da saúde são uma violação do respeito pelo direito à saúde e aos cuidados de saúde.

7. Em todo o momento, são as nossas decisões, nunca as condições ou circunstâncias, que determinam a nossa estrutura moral e ética. Do ponto de vista ético, a regra moral, deve ser a “Regra de Ouro”: “faz aos outros o que gostarias que te fizessem a ti se te encontrasses numa situação de vulnerabilidade e que de outros dependesse a tua vida…”

8. É difícil. Nunca ninguém disse que agir eticamente era fácil…


*Presidente do Centro de Estudos de Bioética | Professor e investigador do Instituto de Bioética da UCP | Membro da Academia ‘Fides et Ratio’

Imagem de PublicDomainPictures por Pixabay