Qui. Jun 17th, 2021

Oratório Peregrino

Um oratório à maneira de um viático para tempos de carestia
Uma proposta desenvolvida em parceria com

Irmãs do Carmelo de Cristo Redentor – Aveiro


LVIII Passo | SÃO JOSÉ, MODELO PARA OS SACERDOTES E PARA OS RELIGIOSOS E RELIGIOSAS

 

Fazemos referência aos ministros sagrados pelo motivo de uma maior proximidade deles à figura e à missão de São José.

Quando o Papa João XXIII introduziu o nome  de São José no Cânon da missa, não foi por uma simples e pessoal devoção, mas foi a concretização de uma esperança feita de petições há mais de um século. São José, como disse São Bernardo, “foi aquele que recebeu o pão vivo do céu para conservá-lo para si e para todo o mundo”. Pio IX em seu decreto “Quemadmodum Deus” de 08 de dezembro de 1870, afirma que São José: “nutriu aquele que os fiéis devem comer como Pão de vida eterna”. O Pe. Francisco Cirino ressalta que a relação de São José com o sacrifício eucarístico advém também do fato que durante a vida de Jesus, por ocasião dos ritos da sua  circuncisão e da apresentação no Templo, São José, embora “não fosse sacerdote, todavia exercitou de qualquer modo as funções para com o Santíssimo Corpo do Menino Jesus… No rito da circuncisão o Senhor deu  ao mundo por meio das mãos de José, as primícias daquele Santíssimo Sangue que devia ser derramado para a remissão dos pecados, e ele  ofereceu-o devotissimamente a Deus Pai em oblação pura e hóstia agradável”. Também na apresentação ao Templo, toca a José, como pai, a parte mais importante deste cumprimento legal e por isso ele com suas mãos, não apenas de maneira cerimonial, mas com toda a sua convicção, apresentou o menino Jesus, verdadeira vítima de holocausto. São José ofereceu e consagrou-o a Deus Pai sobre o altar do Templo”.

 O Pe. Francisco Cirino não acha justo apenas que durante a eucaristia o nome de São José seja lembrado, mas também que ele seja proposto como ”exemplo e especial patrono para os Sacerdotes”, pois como ele “mereceu cuidar respeitosamente com as suas mãos do Menino Jesus e de conduzi-lo, (assim devem os sacerdotes) servir o sagrado altar com pureza de coração e inocência de ação e dignamente oferecer e receber o Sacrossanto Corpo e Sangue de nosso Senhor” (F.M. Cirino, amplificationis cultus Sancti Josephi B. Marae viriginis sponsi votum – Regnum Dei, 10 [1954] pg 75-76).

Parece muito apto que São José, com os sentimentos que teve por Jesus, seja para os sacerdotes um modelo no exercício do próprio ministério; ele que teve nas suas mãos Jesus criança com todo o respeito e afetividade, deve despertar estes mesmos sentimentos no momento em que o sacerdote toma nas suas mãos sobre o altar o corpo de Jesus Sacramentado.

Na verdade, São José deve ser considerado o modelo perfeito para os sacerdotes, para os diáconos e os ministros da eucaristia, ele que depois da Virgem Maria, “foi o primeiro a apertar nos seus braços o Divino Redentor, seja o nosso exemplo no nosso ministério que, como o seu, é ministério de relação íntima com o Verbo Divino”.

João Paulo II referindo-se a uma homilia de Paulo VI ensina na Exortação Apostólica “Redemptoris Custos” o primado da vida interior de São José afirmando que é na “sua insondável vida interior, da qual lhe provêm ordens e consolações singularíssimas; dela lhe decorrem também a lógica e a força, própria das almas simples e límpidas, das grandes decisões, como foi a de colocar imediatamente à disposição dos desígnios divino a própria liberdade, a sua legítima vocação humana e a felicidade conjugal, aceitando a condição, a responsabilidade e o peso da família e renunciando, por um incomparável amor virgíneo, ao natural amor conjugal que constituiu e alimenta a mesma família” (RC 26)São José fez o que o anjo lhe ordenou e assumiu todo o mistério da  maternidade de Maria, assumindo igualmente o Filho que viria ao mundo por obra do Espírito Santo, demonstrando assim uma disponibilidade à vontade de Deus igual àquela de Maria em razão daquilo que lhe era pedido por meio do anjo.

O Consagrado é chamado a consagrar-se totalmente a Deus e ao seu desígnio de salvação, o qual é uma iniciativa de Deus que requer dos chamados uma resposta com dedicação total e exclusiva, fazendo total oferta de si. Neste sentido há um profundo relacionamento entre a pessoa de São José e a identidade da pessoa consagrada, para a qual houve um chamamento de Deus e foi-lhe pedido uma dedicação total e exclusiva à qual este responde com dedicação incondicionada.

A comunhão de vida entre José e Jesus leva-nos a considerar o mistério da encarnação, justamente sob o aspeto da humanidade de Cristo, instrumento eficaz da divindade para a salvação dos homens. Neste sentido São José ao lado de Maria, com sua paternidade teve um relacionamento íntimo com a humanidade de Jesus. Maria é por excelência o modelo de consagração e dedicação a Deus  e ela próxima de Cristo e juntamente com José, no decorrer da vida escondida de Nazaré, tornou-se a mestra do seguimento incondicional e do serviço assíduo a Deus. Por isso mesmo São José condividiu plenamente a vida com Maria.

Oração

José, sois portador dos frutos do Espírito,

Na Igreja do Senhor,

José nos te louvamos.

Pesquisador à alma do silêncio,

Descobres a sua voz no fundo da tua fé,

Recebes Deus que atende o teu pedido,

José Santo da Fé.

Aberto a Deus que coroa a tua paciência

Tu crês no seu olhar e vives na esperança,

Recebes Deus promessa de Esperar,

José Santo da Esperança.

Absorto em Deus vives na sua presença

Reconheces o dia da sua Encarnação

Recebes Deus que nasce para o mundo

José, Santo do Amor.

José, nós te louvamos.


O Sonho de São José por Philippe de Champaigne [1602-1674]