Seg. Jun 14th, 2021

No 25.º aniversário da morte de Júlia d’Almendra (1904-92) (8)

A estrutura do curso de Órgão

Por Domingos Peixoto

Júlia d’Almendra, além do contexto francês, conhecia bem as orientações da Igreja Católica relativas à função do organista na liturgia. Assim, nos objectivos da nova escola, a formação deste músico tem um lugar especial: um curso mais aprofundado e abrangente, com diversas matérias complementares (Harmonia, Acompanhamento e Improvisação).

Os sete anos do curso de Órgão estavam assim distribuídos: 1.º ano (nível elementar – ao piano), 2.º ano (1.º grau A – sem pedaleira), 3.º ano (1.º grau B – com pedaleira), 4.º ano (2.º grau A), 5.º ano (2.º grau B), 6.º e 7.º ano (curso superior)[1]. O curso básico (os cinco primeiros anos) podia ser encurtado, se o aproveitamento do aluno o justificasse; mas a larga maioria dos alunos alargou substancialmente a duração do curso básico.

Numa entrevista em 1963, Júlia d’Almendra, ao especificar a exigência do curso, acrescenta alguns pormenores da sequência das matérias:

“O curso de Órgão […] obedece no Centro a exigências especiais, pois o que pretendemos é preparar organistas de Igreja. O aluno tem que acompanhar o curso geral com estudos de Harmonia, Canto Gregoriano, Ritmo e Modalidade, para poder, ainda antes do curso superior, começar a trabalhar a improvisação. No curso superior, iniciar-se-á então na difícil arte do acompanhamento do canto gregoriano”[2].

Ao estabelecer este modelo de curso, fica patente, desde logo, a preocupação de enquadrar a sua exigência numa formação abrangente e adequada às finalidades, bem como de o tornar flexível, sem uma precedência rígida do curso de Piano[3]. O ensino culminava no nível superior que, na sequência da reforma do Ensino Vocacional da Música (1983), seria transferido para a então criada Escola Superior de Música de Lisboa.

 

[1] Canto Gregoriano n.º 26, p.8.

[2] Ib.

[3] Nesta altura, o curso do Conservatório Nacional era de quatro anos, sendo exigida a conclusão do curso geral de Piano (6º ano) para fazer o exame final de Órgão.

(Foto: http://centroward.wixsite.com/centrowardlisboa/seg)