Sex. Out 22nd, 2021

APRESENTAÇÃO de nova edição da revista ‘Igreja Aveirense’

Semestre de janeiro a junho de 2020

Leia, aqui, a revista Igreja Aveirense ANO  XVI | JANEIRO-JUNHO 2020 #1

A vida pastoral em 2019/2020 está polarizada no plano trienal que tem por lema “Família, vocação de amor e caminho de santidade”. O segundo ano propõe entre outros objectivos específicos/operativos: “Dar atenção à família como Igreja doméstica, para que possa cumprir a sua missão de ser a primeira escola onde, com amor se acolhe a vida, se celebre a fé e se promova o desenvolvimento social, particularmente nas situações mais vulneráveis”. Tem o programa escalonado seguindo o tempo litúrgico. A 1ª etapa abrange o período do “início ao Natal”; a 2ª do “Natal à Páscoa”; e o 3º “depois da Páscoa”.

Todavia, em Março surge o covid19, que progressivamente gera uma pandemia que obriga a uma reorganização completa do programa em curso e traz novas oportunidades de repensar a vida pastoral, a organização da Igreja, a compreensão da sociedade. À luz da fé cristã constitui um verdadeiro”sinal dos tempos”.

“Igreja Aveirense” regista a reacção ocorrida, dando espaço às principais intervenções do Bispo Diocesano e de outros seus colaboradores, e às iniciativas principais de algumas paróquias, de serviços pastorais e de movimentos diocesanos.

O covid 19 mostra-se tão aguerrido e contagioso que as Autoridades civis têm de impor regras de comportamento social, sendo uma das mais impactantes a do confinamento familiar. Os Bispos acolhem as determinações oficiais e mandam fechar igrejas a fim de evitar aglomerações de pessoas. Os cristãos, como as outras pessoas, ficam remetidos para suas casas, salvaguardando casos de urgência maior e de necessidades fundamentais. Dispõem assim de um tempo especial para se dedicar ao fortalecimento da família como igreja doméstica e de fazer do lar uma escola de novos valores: de auto-conhecimento e partilha, de relacionamento e intimidade, de atenção a cada um/a, de alargar horizontes às rutinas diárias pelo companhamento do que vai no mundo e na Igreja por meio da tecnologia das comunicações.

A igreja doméstica, que brota do baptismo dos casados em matrimónio e faz desabrochar o sacerdócio comum dos fiéis, tem a tríplice missão de: gerar a fé e educar as razões em que se fundamenta, de fazer crescer a esperança criando hábitos de oração e celebrando os acontecimentos familiares e eclesiais, de viver a caridade, amor que vem de Deus e nos faz todos irmãos que sabem cuidar de si e da natureza. O ministério conjugal dá forma a esta comunidade e, em comunhão com outros casais, constitui uma espécie de rede básica da realização histórica da Igreja.

A vida pastoral está polarizada no plano, mas há mais vida, felizmente. Talvez sem rótulos, mas real. Sirva de exemplo os grupos que o covid 19 provocou, onde tantos cristãos solidários com os demais cidadãos “dão o seu melhor”, as equipas de voluntários do bem comum e os cuidadores da natureza que, sensíveis ao Espírito de Deus que “renova a face da terra”, não se cansam dc ser criativos e de inventar modos de colaborar para que surja uma alternativa a esta situação. Regredir ou querer reproduzir o modelo de sociedade que provocou a crise será esquecer a memória dos que foram e são vítimas e fechar horizontes de esperança às gerações vindouras.

“Igreja Aveirense” encerra este número com a evocação de algumas pessoas falecidas, merecendo destaque Monsenhor Aníbal Ramos pelos relevantes serviços prestados à Igreja e pela implementação da renovação litúrgica conciliar, em Portugal e nos países lusófonos.

A equipa redatorial