Sex. Dez 3rd, 2021

TEXTOS JUDAICOS TARDIOS

Investigação e tradução: Pe. Júlio Franclim do Couto e Pacheco

Leia, aqui, Sefer haBahir


O Sefer haBahir também chamado Midrash do Rabi Nehuniah ben Hakana é,
juntamente com o Sefer Yetzirah que o precedeu e o Sefer haZohar que lhe sucedeu,
um dos trabalhos clássicos da Cabala.
O seu nome vem do primeiro versículo citado no seu próprio texto (Job,
37,21): «E agora não se vê luz, o céu é luminoso (bahir)».
Citado no comentário de Raavad a respeito do Sefer Yetzirah e por Rambam
(Rabi Moshe Naihman) no seu comentário sobre a Torah, foi também, por diversas
vezes, parafraseado no Zohar, conforme Aryeh Kaplan na sua introdução à
tradução e comentário do Bahir.
Dizia Moshe Cordovero (1522-1570): «As palavras deste texto são luminosas
(Bahir) e cintilantes, mas o seu brilho pode cegar…».
Acredita-se que o Bahir foi composto em meados do século XII (1175), na escola
cabalística de Provence (França), e circulou durante quase cinco séculos em
forma de manuscrito, restrito a um círculo restrito de cabalistas judeus, antes
de ser impresso em Amesterdão no ano de 1651. [continua no anexo]