PADRES DA IGREJA | Tertuliano – Apologia

À VOLTA DO NOVO TESTAMENTO 2

Pe. Júlio Franclim do Couto e Pacheco

Leia aqui a Apologia de Tertuliano


A Apologia é certamente a obra mais importante de Tertuliano, escrita no ano 197 e dirigida aos governantes do Império Romano. Tertuliano nasceu em Cartago no ano 155 d.C. e aí exercia a sua profissão de advogado quando, em 193, se converteu ao Cristianismo, passando a exercer também a actividade de catequista. A sua inteligência e sólida formação jurídica foram claramente demonstradas nesta obra, em que defende os cristãos, apelando pelo seu direito de liberdade religiosa, perante o Império Romano cruel e perseguidor. Os seus argumentos são expostos de forma lógica e polémica, visando o convencimento das autoridades a quem é dirigida, questionando a «justiça» aplicada contra os cristãos, transportando a apologética do terreno filosófico para o jurídico. Com admirável habilidade, Tertuliano censura os processos jurídicos, em voga, do Poder do Estado gentio contra os cristãos: é suficiente o crime do nomem christianum (= nome ‘cristão’), para acarretar a condenação. A todos os criminosos se concede o direito de defesa; aos cristãos, não. Àqueles, a tortura tenta arrancar uma confissão; aos cristãos, uma apostasia. As suspeitas iníquas espalhadas contra os cristãos, Tertuliano repeleas como mentiras, expondo, em contraposição, o essencial respeitante à fé cristã e à vida das comunidades. Concluindo, declara ser o Cristianismo uma filosofia; mas os filósofos gentios não são obrigados, como os cristãos, a sacrificar e podem até negar os deuses impunemente. Todavia, as crueldades gentílicas não prejudicarão os cristãos; ao contrário, o sangue dos cristãos é como semente que brota. Raramente um discurso de defesa cristão conhecera semelhante precisão de argumentos jurídicos, semelhante rudeza de ironia, semelhante aspereza de lógica, onde os argumentos são desferidos como golpes certeiros, as fórmulas marteladas, os dilemas inelutáveis, sem concessões à posição dos poderes públicos ou dos filósofos. Para ele [Tertuliano] não basta convencer o adversário: arrasa-o, pisa-o, humilha-o.