«O pastor seja o primeiro na ação, na contemplação, no silêncio e próximo de todos pela compaixão»

«O pastor seja o primeiro na ação, na contemplação, no silêncio e próximo de todos pela compaixão»

27 Março, 2018 Não Por admin_cult

Em memória de D. António dos Santos

«O pastor seja o primeiro na ação, na contemplação, no silêncio e próximo de todos pela compaixão»

Esta frase do livro Estímulo de Pastores, do Beato frei Bartolomeu dos Mártires, define, de uma forma muito expressiva, a vida, o sacerdócio e o episcopado de Senhor D. António dos Santos.

Ordenado sacerdote em 1 de julho de 1956, em Albergaria-A-Velha, foi coadjutor na paróquia da Branca e pároco de Oiã e Ílhavo. Em sete de abril de 1976 foi ordenado bispo auxiliar do Senhor D. Manuel de Almeida Trindade e em 2 de fevereiro de 1980 tomou posse como bispo da Guarda. Resignou, por motivos de doença, a 1 de dezembro de 2005, vindo a falecer, na Guarda, no dia 26 de março deste ano.

Da sua extensa atividade apostólica, quer em terras de Aveiro quer na Guarda, onde foi bispo ao longo de vinte e cinco anos, destaco o seu amor às vocações sacerdotais e de consagração, apelando constantemente às comunidades cristãs a darem as mãos nesta causa de primeira importância na Igreja.

Os testemunhos que vou ouvindo do seu amor pelas vocações nas várias paróquias onde exerceu o seu ministério sacerdotal e, sobretudo, a sua ação na Diocese da Guarda – onde ordenou mais de quatro dezenas de sacerdotes, dos quais eu sou um deles – manifestam o seu amor à Igreja e a sua preocupação pelo futuro das comunidades cristãs. Ainda estou a ouvi-lo pedir às paróquias o seu compromisso por esta causa e a cadeia de orações que ele intensificou na Diocese. Afirmava, no momento das ordenações, que os maiores benfeitores da Diocese eram as famílias que davam o melhor que tinham, isto é, os seus filhos.

Viveu uma vida simples e austera, e para aqueles que o conhecemos mais de perto fica a sua amizade, o seu zelo de pastor e a espiritualidade profunda que transmitia a todos nós.

Senhor D. António: Junto de Jesus, o centro da sua vida, e de Maria, a quem tanto amava, interceda pelos seminários e sacerdotes de Aveiro e da Guarda para que sejamos pastores segundo o coração misericordioso de Deus.

+ António Manuel Moiteiro Ramos, Bispo de Aveiro.


O funeral será na Catedral da Guarda, esta quarta-feira, às 15h00, e às 18h30 celebramos a eucaristia na paróquia de Santo António de Vagos, sendo sepultado no cemitério local.