Movimentos apostólicos em saída missionária

MOVIMENTOS APOSTÓLICOS EM SAÍDA MISSIONÁRIA

Pe. Georgino Rocha

Os movimentos na Igreja são dons de Deus que visualizam a presença e acção do Espírito Santo, protagonista principal da missão de Jesus na história da salvação. Dons concedidos a quem se dispõe a dar-lhes acolhimento, a exemplo de Maria de Nazaré, e a cooperar generosa e livremente. Dons que constituem prova eficaz do amor de irradiação missionária para que “os homens consintam na grandeza do seu destino”. Dons que pretendem alargar horizontes aos discípulos e pastores para que, agindo localmente, tenham sempre presente o universal, que é típico da fé católica. Dons que são sementes a florir na sociedade e seus dinamismos e dão rosto irradiante ao “jardim bonito que é a nossa Igreja”.

Esta última afirmação é feita no encontro de movimentos, obras e associações realizado no Seminário de Aveiro no dia da festa de Cristo Rei, Senhor do Universo. Expressa uma visão apreciativa, fruto certamente da leitura crente da realidade e de um sonho a ir-se realizando com a colaboração de todos. Dá azo a uma reflexão que pode ser oportuna e enriquecedora.

De facto, é um jardim e não um canteiro; bonito pela variedade em harmonia que provoca admiração; atraente pelo vigor dos arbustos enraizados na terra e pela beleza das flores a erguerem-se para o alto, aromatizando os ambientes; precário em cada pétala viçosa que depressa murcha, cedendo lugar a outras que uma nova primavera fará surgir; apelativo no seu valor simbólico, pois a vida tem dimensões que urge descobrir e testemunhar e se condensam no jardim cuidado e florido. A metáfora do jardim deixa em aberto clarões de esperança para os tempos que se avizinham. E faz lembrar o hino da Liturgia do Ofício de Leitura de 2ª feira: “Seja a terra um jardim sereno e vasto// sem os ventos do ódio a devasta-lo// e que os homens consintam // na grandeza do seu destino”.

A Igreja reconhece a grandeza da liberdade humana e está ao seu serviço pois essa é a vocação de cada pessoa e das suas múltiplas formas gregárias; pois essa é a verdade que ilumina a consciência onde se pode escutar o eco, ainda que em surdina, da voz de Deus. Nasce daqui, a qualidade da missão que Jesus confia aos seus discípulos e pastores: Prestar um serviço de ajuda e não de substituição à consciência humana para que faça opções responsáveis e meça o alcance de cada decisão.

Os movimentos apostólicos situam-se neste serviço da Igreja à humanidade. Reconhecem que “a glória de Deus é o homem vivo; e que a vida do homem é a contemplação de Deus” na concisa e feliz expressão de Santo Ireneu, bispo de Lyon. Captar esta presença e aprender a sua sabedoria para a testemunhar com audácia é, sem dúvida, um propósito nobre de todo o cristão, sobretudo associado em movimento de irradiação missionária.

Onde estão os movimentos, que áreas de intervenção preferem, que sintonia manifestam com os dinamismos culturais que dão corpo à sociedade e rumo à história, que áreas ficam a descoberto e é urgente ter em conta por fidelidade ao Evangelho de Jesus e à mensagem social da Igreja, hoje revigorada pelo Papa Francisco e tantos outros bispos, padres e leigos? Com que “ferramentas” apostólicas estão munidos e que disposições espirituais alimentam o seu compromisso missionário? Perguntas que têm muitas irmãs a indicar caminhos quase esquecidos, mas de grande relevância e urgente resposta.

“Valorizar o papel dos movimentos apostólicos de intervenção pública” é uma linha de acção do Programa Pastoral “Dai-lhes vós mesmos de comer”, 2017/2018, da nossa Igreja diocesana. Linha claramente definida e, espera-se, eclesialmente assumida. “Nada nos é indiferente” é o tema do III Encontro Nacional dos Leigos ocorrido em Évora a 7 de maio passado; tema que tem como húmus nutriente:  “A realidade contemporânea, a encíclica do Papa Francisco ‘Laudato Si’ sobre o ‘cuidado da casa comum’ e o Jubileu da Misericórdia (que) desafiam-nos a atenção, a inteligência, o coração e a ação”.

De outros países chegam notícias sobre as opções da Igreja nesta vasta e complexa área de apostolado. Se a presença dos leigos é necessária nas paróquias, não o é menos nos espaços onde vivem e se realizam profissionalmente ou diverte em convivência saudável e descontraída; onde se buscam caminhos de verdade e formam consciências; onde se reabastecem das energias do Evangelho e da partilha solidária com quem está nas “linhas da frente” da missão  apostólica.