Modos de interação entre ciência e religião | Pontos: O que é um ponto?

Modos de interação entre ciência e religião

Pontos: O que é um ponto?

Miguel Oliveira Panão

Blog & Autor

Quando estudava na Universidade, o meu professor de matemática dizia que um ponto possui dimensão zero. Depois continuava, dizendo – ”se pegarem nesse ponto e esticarem, obtêm o quê? Uma linha de dimensão 1. E, agora, peguem nessa linha e estiquem. O que obtêm? Uma área de dimensão 2. Agora, peguem nessa área e estiquem. Obtêm um volume, certo?” – E, assim, de um modo intuitivo éramos introduzidos à Análise Matemática II, com os seus integrais. Mas tudo partiu daquele ponto.

Um ponto não tem dimensão, mas infinitos pontos permitem um traço. Para mim, este é um exemplo simples de como algo pode surgir de nada. Como fazer um traço não custa, é visível, e desde criança o fazemos, estamos habituados ao “algo”, mas uma nova dimensão da compreensão se abre quando percebemos que surgiu do nada.

Quando algo surge do nada, criamos.

Se esta experiência faz parte da nossa vida, de onde vem a dificuldade em compreender que Deus possa criar a partir do nada? Penso que seja pela dificuldade em identificar os pontos essenciais, esses “nadas”, que perfazem o traço de uma nova compreensão da realidade.

Uma realidade onde o conhecimento exterior das coisas que a ciência viabiliza se cruza com o conhecimento interior das coisas que na fé encontra sentido e significado.

Um diálogo feito de pontos com dimensão zero para anular os nossos pre-conceitos e abrir a mente a novos horizontes da experiência humana do universo e do nosso papel no princípio narrativo que impulsiona a realidade pelo tempo.

Uma inesperada viagem à descoberta dos pontos que traduzem o essencial equilíbrio entre o visível e o invisível, entre o que toco e o que penso, entre o natural e o sobrenatural. Mas, será a realidade uma só?

Imagem de fevzizirhlioglu por Pixabay