Fé e ciência: Astrónomo do Vaticano torna-se o 11º jesuíta a dar nome a asteroide

Artigo e foto recolhidos do SNPC

O P. Chris Corbally, astrónomo estelar do Observatório do Vaticano, passou a ter o nome associado a um corpo rochoso no cinturão de asteroides que orbita o Sol, na sequência da aprovação da União Astronómica Internacional.

O asteroide, designado 119248 Corbally, tem cerca de um km e meio de diâmetro, gravita a mais de 130 milhões de km da Terra, e foi descoberto a 10 de setembro de 2001 por Roy Tucker, engenheiro recentemente reformado do Imaging Technology Laboratory da Universidade do Arizona.

O trabalho de Tucker, que trabalhou longamente com astrónomos da Santa Sé, incluiu a construção e manutenção de equipamentos usados na obtenção de imagens digitais de objetos celestes no Laboratório de Tecnologia Avançada do Vaticano, bem como de telescópios usados por Corbally no Observatório Steward.

Nascido em Londres, Corbally, de 74 anos, trabalha na equipa do Observatório do Vaticano desde 1983, depois de concluir o doutoramento em astronomia pela Universidade de Toronto. Foi vice-diretor do Grupo de Pesquisa do Observatório do Vaticano até 2012.

O religioso tem uma ampla gama de interesses de investigação, como sistemas estelares, classificação espectral estelar, atividade em estrelas do tipo solar, estrutura galáctica, regiões de formação estelar e tecnologia de telescópios.

«Sou muito um homem das estrelas. Mas ao perceber que as estrelas estão na nossa galáxia, também estou interessado na estrutura galáctica e na história das populações de estrelas na nossa galáxia. A minha maneira de investigar tudo isso é através das estrelas individuais», explicou, depois de ter manifestado surpresa pelo “batismo”.

A contribuição para a ciência por parte do Vaticano converteu-se em pelo menos 10 asteroides com nomes de religiosos da Companhia de Jesus, incluindo o seu fundador, Santo Inácio de Loyola, e o atual diretor do Observatório, Ir. Guy Consolmagno.

A lista de nomes compreende investigadores contemporâneos do P. Corbally, bem como o P. George Coyne, que dirigiu o Observatório do Vaticano e faleceu em fevereiro deste ano, a par de padres dos séculos XVIII e XIX.

Dennis Sadowski
In Crux
Trad. / edição: Rui Jorge Martins
Imagem: P. Chris Corbally | Nancy Wiechec/CNS