EM SANTA JOANA, DESCOBRIMOS O DESEJO DE SER DE DEUS

EM SANTA JOANA, DESCOBRIMOS O DESEJO DE SER DE DEUS

16 Maio, 2019 Não Por admin_cult

Notícia e fotos recolhidas do Correio do Vouga

O Bispo de Aveiro relacionou a vida da Princesa que escolheu Aveiro para seguir a sua vocação com a pastoral diocesana, centrada no chamamento cristão.

“Olhamos hoje para Santa Joana Princesa e nela descobrimos a força da vocação e o desejo de ser toda de Deus”, afirmou D. António Moiteiro na Missa do dia de Santa Joana, 12 de maio, que coincidiu com o Domingo do Bom Pastor.

O Bispo de Aveiro relacionou a vida da Princesa que escolheu Aveiro para realizar a sua vocação com o plano pastoral diocesano, que se centra precisamente na realidade do chamamento cristão. “Viver é sempre responder a um chamamento divino” – prosseguiu D. António Moiteiro. “Deus quis chamar-nos para cooperar com Ele e impelir-nos com a força do seu Espírito. «Chamou os que ele quis» [título da carta do Bispo de Aveiro para o triénio pastoral]. Ao longo da história, Deus foi chamando nas mais variadas circunstâncias: Moisés guardava o rebanho de Jetro, seu sogro… Samuel dormia… Pedro estava a pescar… Mateus estava na banca… Zaqueu em cima de uma árvore… e a Princesa Joana de Portugal no paço real de Lisboa”.

D. António acrescentou que se a vida é fruto de um chamamento, pois “é dom que devemos a outros”, devemos então uma resposta. “Nascemos para corresponder ao chamamento que Deus nos fez à vida. O primeiro chamamento é, sem dúvida, o chamamento à vida, depois, através do batismo, Deus chama-nos a ser cristãos, isto é, seus discípulos; depois chama para uma vocação específica na Igreja e na sociedade”, afirmou.

Aos acólicos, jovens na sua maioria, que realizavam a peregrinação diocesana, o Bispo de Aveiro afirmou que Joana também foi jovem, “ouviu o chamamento a ser amiga e discípula de Jesus e procurou ser fiel a esse chamamento”. Lembrou depois palavras do Papa Francisco, que afirmou que o chamamento de Jesus é algo que deixa cada um feliz no mais íntimo de si mesmo e entusiasma mais do que qualquer outra coisa neste mundo.

A Eucaristia, pelas 17h30, depois da procissão, encheu por completo a Sé de Aveiro, sendo concelebrada por duas dezenas de padres e animada pelo Coro da Catedral. Na assembleia estavam, como é habitual, os autarcas de Aveiro e membros da Assembleia Municipal e representantes de diversos organismos. Contudo, alguns grupos que participaram na procissão não ficaram para a Eucaristia.

J.P.F.