DOMINGO XXVIII | ELOGIO A QUEM AGRADECE

Pe. Georgino Rocha

 

A liturgia deste domingo tem um fio condutor que une as leituras e dá sentido à vida humana em todas as situações. Também nas de maior fragilidade como as que estão apanhadas pela lepra ou outras doenças. Hoje, surge Naamã, o general sírio, que vai em busca de cura junto de Eliseu, o profeta de Deus, e Jesus que é invocado como Senhor, por dez leprosos, numa aldeia por onde passava a caminho de Jerusalém. De igual modo, Paulo que está na prisão como um malfeitor por causa do Evangelho, ele que tinha vivido dominado pela lepra do ódio aos que se convertiam a Jesus e seguiam a sua mensagem. Em todos, a lepra é curada e a saúde recuperada. Apenas dois reconhecem o benefício recebido como dom de Deus e Lhe agradecem.

Vamos seguir a narrativa de Lucas, meditar algumas passagens, tentando saborear a sua riqueza e oportunidade para nós em Igreja e na sociedade. Fazê-lo a partir do elogia dado por Jesus ao leproso que vem agradecer-lhe. Lc 17, 11-19.

O elogio surge da boca de Jesus, numa povoação onde passava a caminho de Jerusalém. Com ele, iam os discípulos desejosos de colher os seus ensinamentos. Sai-lhe ao encontro um grupo de dez leprosos que, em voz alta, imploram a sua compaixão. Jesus põe-nos à prova, encaminhando-os, de acordo com a Lei judaica, para os sacerdotes. E não diz, nem faz mais nada. No percurso, acontece a maravilha da cura. O grupo continua a viagem; mas um, não, e regressa junto de Jesus, para lhe expressar a gratidão pelo benefício alcançado. E este era estrangeiro, samaritano, de outra etnia cultural e religiosa, excluído das bênçãos prometidas aos Judeus.

Ao ver o sucedido, Jesus toma a palavra, censura o grupo pela falta de reconhecimento e pela ingratidão, fazendo, ao mesmo tempo, o elogio de quem, espontaneamente, vem à sua presença, dando glória a Deus, em voz alta, e assumindo atitudes de profunda humildade e agradecimento. Depois diz a este homem: “Levanta-te e segue o teu caminho; a tua fé te salvou”.

Os discípulos não participam no diálogo, apenas testemunham o facto tão contrastante com o preceituado na Lei. E, certamente, como ocorre em outras ocasiões, ficam perplexos e pedem explicações. E não era para menos! Com eles, também nós precisamos de compreender o que está contido na cura dos 10 leprosos e colher a mensagem que Jesus quer transmitir.

A salvação é oferecida a todos, sem qualquer excepção. Salvação que abrange a pessoa toda: sensibilidade e razão, corpo e espírito, vida privada e pública, saúde e doença, tempo e eternidade. Salvação que se expressa na harmonia do ser em si mesmo, na boa relação com os outros, no uso correcto dos bens materiais, culturais e espirituais, no acolhimento e resposta a Deus, fonte primeira da vida e herdeiro único da humanidade.

A gratidão brota, espontânea, do coração sensível e fiel. É fruto do reconhecimento do benefício recebido, da dignidade alcançada, da pertença integradora restabelecida, da capacidade de andar “erguido” na vida, da valoração da fé alicerçada no encontro com Jesus Cristo, na presença dos seus discípulos. A gratidão reveste muitas modalidades: dizer um obrigado oportuno ou um bem-haja sincero; fazer um gesto amigo e benfazejo; reunir-se em grupo ou assembleias e festejar eventos comuns; dar parabéns merecidos; celebrar as maravilhas de Deus realizadas por Jesus Cristo a nosso favor. É neste contexto que se situa a eucaristia e a importância de tomar parte na celebração/missa dominical.

O Papa Francisco exorta-nos a cultivar a atitude de dizermos “com licença, obrigado e desculpas” sempre que a ocasião o proporcione e exija. Tal a indiferença e insensibilidade que predominam nas relações humanas. Educar para o agradecimento merecido e viver em atitude de gratidão justa fazem parte da nossa comum humanidade, da cidadania cívica, do conviver respeitoso em sociedade, do viver a fé cristã em Igreja, espelho e meio qualificado do agir de Jesus Cristo.

Imagem de Jobert Jamis Aquino por Pixabay