Documentos | Vaticano apresenta novo Diretório para a Catequese do século XXI

Notícia recolhida da Agência Ecclesia

Documento sublinha impacto das novas tecnologias e da globalização na transmissão da fé

O Vaticano apresentou hoje o novo Diretório para a Catequese, o terceiro documento do género em 50 anos, que sublinha o impacto das novas tecnologias e da globalização na transmissão da fé.

“Na Igreja, muitas vezes, é habitual uma comunicação unidirecional: prega-se, ensina-se e apresentam-se sínteses dogmáticas. Além disso, só com um texto escrito é difícil falar aos mais jovens, habituados a uma linguagem que consiste na convergência da palavra escrita, som e imagens”, refere o texto, divulgado esta manhã pela Sala de Imprensa da Santa Sé.

O documento que vai orientar a ação catequética das comunidades católicas sublinha as possibilidades de “interação” que se abrem com as redes sociais e plataformas digitais, que alteram “a própria abordagem da experiência fé”.

O documento foi apresentado hoje à imprensa pelos responsáveis do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização (Santa Sé), que desde 2013, por decisão de Bento XVI, hoje Papa emérito, assumiu entre as suas competências o setor da Catequese.

“O digital não só faz parte das culturas existentes, como se está a impor como uma nova cultura, modificando antes de mais a linguagem, modelando a mentalidade e reelaborando as hierarquias de valores”.

Os catequistas são desafiados a aproximar a linguagem na rede com a linguagem religiosa, num acompanhamento pessoal que leve “cada jovem a redescobrir o seu projeto pessoal de vida”.

“Este caminho requer que se passe da solidão, alimentada pelos likes, à realização de projetos pessoais e sociais a realizar em comunidade”, pode ler-se.

Estas propostas, destaca o Vaticano, serão cada vez mais digitais, exigindo “formas inéditas de evangelização” que levem a “ações pastorais globais, tal como é global a cultura digital”.

O novo Diretório adverte para os limites e problemas do digital, observando que o processo deve ser coletivo e nunca individual, passando do mundo “isolado das redes sociais para a comunidade eclesial”.

“A catequese valoriza todas as linguagens que a ajudam a realizar as suas tarefas; de modo particular, tem uma atenção em relação à linguagem narrativa e autobiográfica”, bem como a arte, acrescenta o texto.

Ao longo de 428 pontos, em mais de 120 páginas, a Santa Sé destaca a “exigência de colocar tudo em chave evangelizadora”, projetando “espaços e propostas concretas para o primeiro anúncio e para repensar a iniciação cristã em chave catecumenal”.

O Diretório fala da Catequese como “laboratório” de diálogo, apresentando princípios teológico-pastorais e orientações gerais para o setor, com destaque para a formação dos catequistas.

O Vaticano sublinha que todos são responsáveis pela ação catequética, falando no papel dos bispos, padres, consagrados e consagradas neste processo, na relação com os pais, padrinhos e com os avós, destacando o papel dos mais velhos na transmissão da fé.

No texto assume-se ainda o compromisso de “evitar qualquer género de abuso, seja ele de poder, de consciência, económico ou sexual”.

Nos últimos 50 anos, foram publicados o Diretório Catequístico Geral, em 1971, e o Diretório Geral de Catequese, de 1997; a 11 de outubro de 1992, São João Paulo II publicou ainda o Catecismo da Igreja Católica.

O novo documento sustenta que a ação “catequético-iniciática está ao serviço da profissão de fé”.

“Este impulso missionário espontâneo deve ser apoiado por uma verdadeira pastoral do primeiro anúncio, capaz de levar a cabo iniciativas para propor de forma explícita a boa nova da fé, manifestando concretamente a força da misericórdia, verdadeiro centro do Evangelho, e favorecendo a inserção de quem se converte na comunidade eclesial”.

A Catequese é colocada numa dinâmica de iniciação cristã, com “uma formação de base, essencial, orgânica, sistemática e integral da fé”.

“É um itinerário pedagógico oferecido na comunidade eclesial que conduz o crente ao encontro pessoal com Jesus Cristo através da Palavra de Deus, da ação litúrgica e da caridade, integrando todas as dimensões da pessoa, para que esta cresça na mentalidade de fé e seja testemunha de vida nova no mundo”, precisa a Santa Sé.

O texto insiste na “estreita relação” entre Evangelização e Catequese, elencando uma série de “tarefas” para a pastoral catequética: leva ao conhecimento da fé; inicia à celebração do Mistério; forma para a vida em Cristo; ensina a rezar e introduz à vida comunitária.

Em Portugal o novo documento orientador da Catequese vai ser editado pelo Secretariado Nacional da Educação Cristã, com apresentação da obra nas Jornadas Nacionais de Catequistas.

OC

Diretório para a Catequese articula os seus conteúdos numa estrutura “renovada e sistemática”, com três partes:1 – A primeira parte (A catequese na missão evangelizadora da Igreja) oferece os fundamentos de todo o percurso, destacando que a Catequese “já não se limita a ser um mero momento de crescimento mais harmonioso da fé, mas contribui para gerar a própria fé e permite que se descubra a sua grandeza e a sua credibilidade”.

2 – A segunda parte (O processo da catequese) apresenta critérios teológicos para o anúncio da mensagem evangélica, “tornando-os mais adequados às exigências da cultura contemporânea”.

3 – A terceira parte (A catequese nas Igrejas particulares) sublinha que cada comunidade cristã é convidada a “confrontar-se com a complexidade do mundo contemporâneo”.

Foto: Vatican Media

Intervenção de D. Rino Fisichella, Presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização

A publicação de um Diretório para a Catequese representa um acontecimento feliz para a vida da Igreja. Com efeito, pode constituir um desafio positivo para todos os que se dedicam ao grande empenho da catequese, uma vez que permite experimentar a dinâmica do movimento catequético que sempre teve uma presença significativa na vida da comunidade cristã. O Diretório para a Catequese é um documento da Santa Sé oferecido a toda a Igreja. Necessitou de muito tempo e trabalho, e chega até nós como conclusão de uma vasta consulta internacional. Hoje é apresentada a edição oficial em língua italiana. No entanto, já estão prontas as traduções em espanhol (edição para a América Latina e para a Espanha), português (edição para o Brasil e para Portugal), inglês (edição para os EUA e para o Reino Unido), francês e polaco. Dirige-se em primeiro lugar aos Bispos, primeiros catequistas entre o Povo de Deus, na medida em que são os primeiros responsáveis pela transmissão da fé (cf. n. 114). Juntamente com eles são envolvidas as Conferências episcopais, com as respetivas Comissões para a catequese, para partilhar e elaborar um desejável projeto nacional que apoie o caminho de cada diocese (cf. n. 413). No entanto, os mais diretamente envolvidos no uso do Diretório são os sacerdotes, os diáconos, as pessoas consagradas e os milhões de catequistas que, todos os dias, desempenham o seu ministério com gratuidade, esforço e esperança nas diferentes comunidades. A dedicação com que trabalham, sobretudo num momento de transição cultural como este, é sinal palpável de quanto o encontro com o Senhor pode transformar um catequista num genuíno evangelizador.

Desde o Concílio Vaticano II, este que apresentamos hoje é o terceiro Diretório. O primeiro de 1971, Diretório catequístico geral, e o segundo de 1997, Diretório geral da catequese, marcaram estes últimos cinquenta anos de história da catequese. Estes textos desempenharam um papel primordial. Constituíram uma ajuda importante para levar o caminho catequético a dar um passo decisivo, sobretudo através da renovação da metodologia e da instância pedagógica. O processo de inculturação que caracteriza de modo particular a catequese e que, sobretudo nos nossos dias, obriga a ter uma atenção bastante particular exigiu a composição de um novo Diretório.

A Igreja está diante de um grande desafio que se concentra na nova cultura com a qual se vai encontrando, a cultura digital. Centrar a atenção num fenómeno que se impõe como global obriga todos os que têm responsabilidade da formação a evitar subterfúgios. Diversamente do passado, quando a cultura estava limitada ao contexto geográfico, a cultura digital tem um valor que sente os efeitos da globalização em curso e determina o seu desenvolvimento. Os instrumentos criados nesta década são a manifestação de uma transformação radical dos comportamentos que incidem sobretudo na formação da identidade pessoal e nas relações interpessoais. A velocidade com que se modifica a linguagem, e com ela também as relações comportamentais, deixa vislumbrar um novo modelo de comunicação e de formação que toca inevitavelmente também a Igreja no complexo mundo da educação. A presença das várias expressões eclesiais no vasto mundo da internet constitui certamente um facto positivo, mas a cultura digital vai muito para além disso. Ela toca a raiz da questão antropológica decisiva em qualquer contexto formativo, como o da verdade e da liberdade. O próprio facto de colocar esta problemática impõe que se verifique a adequação da proposta formativa, venha donde vier. Ela torna-se, no entanto, um confronto imprescindível para a Igreja, em virtude da sua “competência” sobre o homem e a sua pretensão de verdade.

Talvez esta premissa fosse suficiente para demonstrar a necessidade de um novo Diretório para a catequese. Na época digital, vinte anos são comparáveis, sem exagero, a pelo menos meio século. Daqui resultou a exigência de redigir um Diretório que tivesse em conta, com grande realismo, a novidade que se apresenta, na tentativa de propor uma leitura dessa mesma novidade que envolvesse a catequese. É por este motivo que o Diretório apresenta não apenas as problemáticas inerentes à cultura digital, mas sugere também os percursos a realizar para que a catequese se torne uma proposta que encontra o interlocutor que seja capaz de a compreender e de ver como se adequa ao seu mundo.

No entanto, existe uma razão mais de ordem teológica e eclesial que convenceu a redigir este Diretório. O convite a viver cada vez mais a dimensão sinodal não pode deixar esquecer os últimos Sínodos que a Igreja viveu. Em 2005 o Sínodo sobre a Eucaristia, fonte e ápice da vida e da missão da Igreja; em 2008, A Palavra de Deus na vida e na missão da Igreja; em 2015, A vocação e a missão da família na Igreja e no mundo contemporâneo; em 2018, Os jovens, a fé e o discernimento vocacional. Como se pode observar, em todas estas assembleias, repetem-se algumas constantes que tocam de perto o tema da evangelização e da catequese, o que se pode verificar pelos documentos que se lhes seguiram. De modo mais particular é forçoso referir-nos a dois acontecimentos que, de forma complementar, marcam a história desta última década no que se refere à catequese: o Sínodo sobre a Nova evangelização e a transmissão da fé, em 2012, com a consequente Exortação apostólica do Papa Francisco Evangelii gaudium, e o vigésimo quinto aniversário da publicação do Catecismo da Igreja Católica, ambos tocando diretamente a competência do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização.

A evangelização ocupa o primeiro lugar na vida da Igreja e no magistério quotidiano do Papa Francisco. Não poderia ser de outro modo. A evangelização é a tarefa que o Senhor Ressuscitado confiou à sua Igreja para ser no mundo de cada tempo o anúncio fiel do seu Evangelho. Prescindir deste pressuposto equivaleria a transformar a comunidade cristã numa das muitas associações beneméritas, orgulhosa dos seus dois mil anos de história, mas não a Igreja de Cristo. A perspetiva do Papa Francisco, nomeadamente, está em forte continuidade com os ensinamentos de São Paulo VI na Evangelii nuntiandi, de 1975. Os dois não fazem outra coisa que não seja referir-se à riqueza que brotou do Vaticano II que, no que se refere à catequese, encontrou na Catechesi tradendae (1979) de São João Paulo II o seu ponto central.

Portanto, a catequese deve estar intimamente unida à obra de evangelização e não pode prescindir dela. Precisa de assumir em si as características próprias da evangelização, sem cair na tentação de se substituir a ela ou de querer impor à evangelização os seus pressupostos pedagógicos. Nesta relação, o primado pertence à evangelização e não à catequese. Isto permite compreender por que razão, à luz da Evangelii gaudium, este Diretório se qualifica por sustentar uma “catequese querigmática”.

O coração da catequese é o anúncio da pessoa de Jesus Cristo, que ultrapassa os limites de espaço e de tempo para se apresentar a cada geração como a novidade oferecida para alcançar o sentido da vida. Nesta perspetiva, é indicada uma nota fundamental de que a catequese deve apropriar-se: a misericórdia. O querigma é anúncio da misericórdia do Pai que vai ao encontro do pecador, não mais considerado como um excluído, mas como convidado privilegiado ao banquete da salvação que consiste no perdão dos pecados. Se quisermos, é neste contexto que ganha força a experiência do catecumenato como experiência do perdão oferecido e da consequente vida nova de comunhão com Deus.

No entanto, a centralidade do querigma deve ser recebida em sentido qualitativo e não temporal. Efetivamente, requer que esteja presente em todas as fases da catequese e de todas as catequeses. É o “primeiro anúncio” que é feito sempre, porque Cristo é o único necessário. A fé não é algo de óbvio que se recupera nos momentos de necessidade, mas é um ato de liberdade que compromete toda a vida. Portanto, o Diretório assume a centralidade do querigma que se exprime em sentido trinitário como compromisso de toda a Igreja. A catequese, tal como é expressa pelo Diretório, caracteriza-se por esta dimensão e pelas implicações que confere à vida das pessoas. Neste horizonte, toda a catequese adquire um valor peculiar que se exprime no aprofundamento constante da mensagem evangélica. Enfim, a catequese tem a finalidade de fazer alcançar o conhecimento do amor cristão que leva aqueles que o acolheram a tornarem-se discípulos evangelizadores.

Diretório desdobra-se tocando várias temáticas que não fazem outra coisa que não seja remeter para o objetivo de fundo. Uma primeira dimensão é a mistagogia que é apresentada através de dois elementos complementares entre si: antes de mais, uma renovada valorização dos sinais litúrgicos da iniciação cristã; depois, o amadurecimento progressivo do processo formativo em que é envolvida toda a comunidade. A mistagogia é um caminho privilegiado a seguir, mas não é facultativo no percurso catequético, permanece como um momento obrigatório, uma vez que insere cada vez mais no mistério acreditado e celebrado. É a consciência do primado do mistério que leva a catequese a não isolar o querigma do seu contexto natural. O próprio anúncio da fé é sempre anúncio do mistério do amor de Deus que se faz homem pela nossa salvação. A resposta não pode evitar o facto de acolher em si o mistério de Cristo que permite iluminar o mistério da própria experiência pessoal (cf. GS 22).

Uma característica ulterior de novidade do Diretório é a ligação entre evangelização e catecumenato nas suas várias aceções (cf. n. 62). É urgente levar a cabo a “conversão pastoral” para libertar a catequese de algumas armadilhas que impedem a sua eficácia. O primeiro pode ser identificado no esquema escolar, segundo o qual a catequese de iniciação cristã é vivida no paradigma da escola. A catequista substitui a professora, a sala da escola dá lugar à sala de catequese, o calendário escolar é idêntico ao da catequese… O segundo é a mentalidade segundo a qual a catequese é feita em vista da receção de um sacramento. É óbvio que, quando a iniciação tiver terminado, se venha a criar um vazio para a catequese. Um terceiro é a instrumentalização do sacramento por parte da pastoral, pelo que os tempos do sacramento da Confirmação são estabelecidos pela estratégia pastoral de não perder o pequeno rebanho de jovens que ficou na paróquia e não pelo significado que o sacramento possui em si mesmo na economia da vida cristã.

O Papa Francisco escreveu que “anunciar Cristo significa mostrar que crer n’Ele e segui-Lo não é algo apenas verdadeiro e justo, mas também belo, capaz de preencher a vida de um novo esplendor e de uma alegria profunda, mesmo no meio das provações. Nesta perspetiva, todas as expressões de verdadeira beleza podem ser reconhecidas como uma vereda que ajuda a encontrar-se com o Senhor Jesus … Torna-se necessário que a formação na via pulchritudinis esteja inserida na transmissão da fé” (EG 167). Uma nota de particular valor inovador para a catequese pode ser expressa pela via da beleza sobretudo para permitir conhecer o grande património de arte, literatura e música que cada Igreja local possui. Neste sentido, compreende-se por que razão o Diretório colocou a via da beleza como uma das “fontes” da catequese (cf. nn. 106-109).

Uma última dimensão oferecida pelo Diretório está no facto de ajudar a inserir-se progressivamente no mistério da fé. Esta conotação não pode ser delegada apenas a uma dimensão da fé ou da catequese. A teologia explora o mistério revelado com os instrumentos da razão. A liturgia celebra e evoca o mistério com a vida sacramental. A caridade reconhece o mistério do irmão que estende a mão. Na mesma linha, a catequese leva progressivamente a acolher e viver globalmente o mistério na existência quotidiana. O Diretório assume esta visão, quando pede que se exprima uma catequese que saiba encarregar-se de manter unido o mistério, embora articulando-o nas diversas fases de expressão. O mistério, quando é captado na sua realidade profunda, exige o silêncio. Uma verdadeira catequese nunca terá a tentação de dizer tudo sobre o mistério de Deus. Pelo contrário, deverá introduzir à vida da contemplação do mistério, fazendo do silêncio a sua conquista.

Portanto, o Diretório apresenta a catequese querigmática não como uma teoria abstrata, mas como um instrumento com forte valor existencial. Esta catequese tem o seu ponto de força no encontro que permite que se experimente a presença de Deus na vida de cada um. Um Deus próximo que ama e que segue as vicissitudes da nossa história porque a encarnação do Filho o compromete diretamente. A catequese deve envolver cada pessoa, catequista e catequizando, no facto de experimentar esta presença e de se sentir envolvido na obra da misericórdia. Enfim, uma catequese deste tipo permite descobrir que a fé é realmente o encontro com uma pessoa, ainda antes de ser uma proposta moral, e que o cristianismo não é uma religião do passado, mas um acontecimento do presente. Uma experiência como esta favorece a compreensão da liberdade pessoal, porque é fruto da descoberta de uma verdade que nos torna livres (cf. Jo 8,31).

A catequese que dá o primado ao querigma está nos antípodas de qualquer imposição, nem que fosse a de uma evidência sem qualquer possibilidade de fuga. Com efeito, a escolha de fé, ainda antes de considerar os conteúdos aos quais aderir com o assentimento de cada um, é um ato de liberdade, na medida em que se descobre que se é amado. Neste âmbito, é bom que se considere com atenção o que propõe o Diretório acerca da importância do ato de fé na sua dupla articulação (cf. n. 18). Durante demasiado tempo a catequese centrou os seus esforços em dar a conhecer os conteúdos da fé e na pedagogia com a qual os devia transmitir, descurando infelizmente o momento mais determinante que é o ato de cada um escolher a fé e dar o seu assentimento.

Fazemos votos de que este novo Diretório para a Catequese possa servir verdadeiramente de ajuda e de apoio à renovação da catequese no processo único de evangelização que, desde há dois mil anos, a Igreja não se cansa de realizar, para que o mundo possa encontrar Jesus de Nazaré, o Filho de Deus feito homem para nossa salvação.