Cidade, Universidade e Igreja unidas pela Rua D. António Baltasar Marcelino

Cidade, Universidade e Igreja unidas pela Rua D. António Baltasar Marcelino

16 Maio, 2019 Não Por admin_cult

Notícia e fotos recolhidas do Correio do Vouga

 

“D. António Marcelino foi um servidor da causa pública, das boas causas”, disse Ribau Esteves.

 

“Não é fácil encontrar ruas para homenagear certas pessoas”, como afirmou o presidente da Câmara Municipal de Aveiro, “ainda que todas as ruas sejam dignas”. No caso da antiga estrada de Santiago, que desde sábado, 11 de maio, é a Rua D. António Baltasar Marcelino, a escolha “marca um encontro feliz”, explicou José Ribau Esteves, porque a rua une cidade e universidade, duas realidades que “são a mesma coisa, mas têm vivências autónomas”. Proporciona ainda encontro com “o Seminário e a Casa Sacerdotal”, por onde também passam “a vida, a história e a cultura”.

O presidente da Câmara referiu que o pedido de atribuir o nome do Bispo de Aveiro falecido em 2013 partiu de um grupo de cidadãos (católicos ligados às Equipas de Nossa Senhora), mas teve acolhimento imediato por parte da Comissão de Toponímia e do executivo municipal. “D. António Marcelino foi um servidor da causa pública, das boas causas”, disse Ribau Esteves.

D. António Moiteiro, que se dirigiu depois do presidente da Câmara às cerca de cem pessoas que assistiram ao ato, incluindo sobrinhos de D. António Marcelino, lembrou que o seu antecessor homenageado tinha “amor pela pastoral universitária”, tendo mandado construir o CUFC (Centro Universitário Fé e Cultura), que se situa no seguimento da rua (já com outro nome). Como aspetos que marcaram a Diocese, D. António Moiteiro realçou ainda que D. António Marcelino desejava um “laicado consciente, ativo”, e tudo fez para implementar a renovação do Concílio do Vaticano II, sendo o sínodo diocesano um dos meios.

Logo no início das suas palavras, D. António Moiteiro observou que o primeiro Bispo de Aveiro, da primeira fase da Diocese, D. António Freire Gameiro de Sousa (Bispo de Aveiro de 1774 a 1799), ainda não tem em Aveiro uma rua que perpetue o seu nome.